Escovação adequada dos dentes e uso correto do fio dental, assim como visitas ao seu dentista, podem ajudar a prevenir doenças gengivais que podem estar relacionadas a outras doenças do seu organismo. Foram encontradas uma série de relações entre infecções que ocorrem na boca e problemas cardiovasculares, diabetes, obesidade, câncer, osteoporose, parto prematuro e nascimento de bebês abaixo do peso.

A ideia de relacionar a saúde bucal com problemas em outras áreas do corpo surgiu no início do século XX. Nessa época, acreditava-se que infecções com origem na boca poderiam ser a causa direta de outras doenças – nascia aí a tese da infecção focal, várias pessoas tiveram os dentes arrancados desnecessariamente. Acreditava-se, sem qualquer base científica, que arrancar os dentes com problemas evitaria que a infecção fosse disseminada.

Na década de 1970, o dentista americano Steven Offenbacher realizou pela primeira vez um teste clínico que ligava processos inflamatórios na boca com a ocorrência de parto prematuro, o que fez a relação boca e corpo ser levada a sério novamente. Teve início, então, uma onda de novas pesquisas científicas em busca de quaisquer relações com as demais inflamações do corpo. Dezenas de estudos conseguiram confirmar os achados de Offenbacher e encontraram ainda conexões dos males bucais com diabetes, doenças cardiovasculares, pulmonares, de próstata, osteoporose e câncer.

As infecções bucais podem causar prejuízos aos demais órgãos por dois processos inflamatórios diferentes. No primeiro e mais simples, a bactéria da gengiva viaja pela corrente sanguínea até as veias coronárias (que levam sangue ao coração) e se alojam ali, infeccionando a membrana da válvula.

No segundo, o sistema imunológico libera diversas substâncias no organismo. enquanto luta para exterminar as bactérias invasoras que tiveram origem na boca. Isso causa um desequilíbrio químico, elevando os níveis de substâncias que interferem no funcionamento de órgãos, do metabolismo e de sistemas inteiros do corpo. É o caso, por exemplo, do diabetes. O processo inflamatório na gengiva não causa a doença, mas ajuda a desequilibrar o balanço químico do organismo, dificultando, assim, o controle dos níveis de glicose. Mas a relação entre as condições é uma via de mão dupla. O diabetes, por si só, pode piorar quadros de inflamação gengival. Esse mesmo desequilíbrio químico pode estar relacionado ainda com problemas como câncer, parto prematuro e nascimento de bebês abaixo do peso, artrite reumatoide e obesidade.  Prestar atenção ao que acontece na boca, pode ser não só uma boa maneira de evitar doenças, mas também de detectá-las.


img_4346Nasser Abdallah Zorkot

Cirurgião Dentista

Especialista em Implantodontia                                                                              

Rua Francisco Sales, 585 – SL 01 – Lavras/MG

(35)3821-4522

Revista Ipê