Parque Francisco de Assis: há sete anos cuidando de cães abandonados

Desde junho de 2010, o Parque Francisco de Assis (PFA) realiza um trabalho de amor e dedicação aos animais abandonados. Um projeto da Sociedade Lavrense de Proteção aos Animais (SLPA)- entidade civil sem fins lucrativos ou econômicos, que se mantém através de doações e trabalho voluntário, além de contar com o apoio de toda a comunidade.

O Parque recebe, ainda, por meio de um convênio, uma verba mensal da Prefeitura de Lavras, a qual é destinada para o custeio da ração. Já as demais despesas (funcionários, medicamentos, cirurgias, etc) são supridas com as doações.

Além disso, ele foi fundado após a Prefeitura ceder um terreno às margens da BR 265 – km 341, para que fossem transferidos trezentos cães do antigo canil, que estavam sob ameaça de despejo. Através da campanha “Mãos à Obra”, o local foi reestruturado para receber os animais.

A partir de então, a SLPA tomou como sua responsabilidade manter as necessidades básicas, a reabilitação da saúde física e comportamental, o encaminhamento à adoção e a prevenção de doenças desses cães, além de outros que são abandonados nas ruas e que necessitam de cuidados. Hoje, há 450 cães no Parque. “O trabalho desenvolvido pelo Parque São Francisco de Assis é uma pequena gota num oceano de necessidades deste reino tão massacrado e sofrido, mas que pode tocar corações generosos e trazer mais consciência e responsabilidade às gerações” – PFA.

Desde o início, o Parque contou com a dedicação das voluntárias Patrícia Miranda Reis Arriel, Agulúcia Martins Amarante e Lenilce Rezende Gomide, que não medem esforços para manter o bem-estar dos animais, que na maioria das vezes são abandonados pelos próprios donos. “Hoje, já estamos superlotados, não temos capacidade para pegar mais cães, mas como que faz? Tem gente que vem aqui e deixa o cão preso nos nossos carros, sem nenhuma humanidade. Amor e seriedade: isso que nos sustenta. Temos um compromisso diário aqui. E no fundo agradecemos a Deus por termos isso”, comentam as fundadoras.

ESTRUTURA DO PARQUE FRANCISCO DE ASSIS

• Baias: onde os cães saudáveis permanecem e sua estrutura compreende o solário, ao ar livre, e uma parte coberta, com acesso à ração e água;

Baias

Baias

• Área de lazer: um terreno com vegetação/terra e ao ar livre para que os cães possam correr e se divertir;

_MG_0546

• Casa de cura: uma área dedicada ao cuidado e suporte aos cães. É composta das seguintes salas: cirurgia (onde são realizadas castrações); farmácia; sala de expurgos (destinada ao cuidado e esterilização dos instrumentais utilizados em procedimentos cirúrgicos); enfermarias (para cães com doenças infecto-contagiosas e aqueles que precisam de atenção após cirurgias e ferimentos).

_MG_0523

Há ainda a sala de banho e tosa; a cozinha para os animais (onde se prepara o alimento para os cães debilitados e doentes); o depósito de ração, dentre outros espaços para manter o pleno funcionamento do Parque São Francisco de Assis.

PROJETOS DESENVOLVIDOS:

• Castração de cães de rua: em parceria com a Prefeitura Municipal de Lavras, a cada mês em torno de 70 cães abandonados nas ruas da cidade são resgatados pelo Setor de Vigilância Epidemiológica e recebidos no PFA onde são cuidados, castrados, vermifugados e, quando possível, vacinados. Os cães são devolvidos à cidade depois de recuperados ou têm a oportunidade de serem adotados enquanto lá permanecerem.

• Adoção de cães: o PFA acolhe cães abandonados, auxilia em sua recuperação e promove a castração para que sejam adotados por pessoas conscientes que possam proporcionar-lhes uma vida mais digna e feliz. Alguns filhotes e cães adultos são levados aos domingos até a praça central da cidade para que possam ser vistos por mais pessoas e assim terem a chance de encontrar um lar. Os adotantes recebem orientações sobre posse responsável e preenchem um termo de adoção para controle.

• Veterinário Aprendiz Voluntário: em parceria com o curso de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Lavras (Ufla), os estudantes têm a oportunidade de aprimorar seus conhecimentos teóricos com cuidados e práticas atendendo às necessidades de cães do PFA.

• Saneamento e Tratamento de Resíduos: um projeto em parceria com o curso de Engenharia Ambiental da Ufla, onde todos os resíduos gerados são tratados para que não gerem qualquer prejuízo ao meio ambiente. A partir do resíduo sólido é produzido um composto, que através de análises, constatou-se sua adequação para uso em jardins e pomares.    

_MG_0477

AJUDE EM TORNO DE 450 CÃES. ESCOLHA COMO:

Doações

Você pode fazer doações esporádicas ou mensais em dinheiro, através de depósito, transferência bancária ou cheques. Pode ainda entrar em contato com o PFA para ser um parceiro. “Se cada um ajudar um pouco, com o que pode, já faz toda diferença. Certa vez, ao conferir o extrato bancário da conta do Parque, me deparei com um depósito de 6 reais. Fiquei muito feliz e satisfeita ao ver aquela atitude”, comenta Patrícia.


SE VOCÊ DESEJA AJUDAR, SEGUEM OS DADOS BANCÁRIOS:

Caixa Econômica

Federal ou Lotéricas

Titular: Sociedade Lavrense de Proteção aos Animais

Agência: 0129

Conta corrente: 185-2

Operação: 003

CNPJ: 190918340001-88


SEJA UM VOLUNTÁRIO

Doe amor e seus dons, habilidades e tempo. Você nem imagina o quanto tem para oferecer e a alegria que isso lhe dará. Experimente! Você pode ajudar com limpeza das áreas, banho, tosa, escovação, passeio com os cães, auxílio veterinário aos animais feridos e doentes, documentação, fotografia, vídeo, jardinagem, manutenção predial, entre outros, em qualquer dia da semana.

DEPOIMENTOS DE VOLUNTÁRIOS

“Nós como voluntários podemos ajudar em várias atividades, desde a limpeza das baias, como cuidando dos enfermos, dando banho, ajudando na cozinha, etc. Esse trabalho, apesar de parecer ser um esforço da nossa parte, acaba sendo recompensado em dobro para nós mesmos. Somos retribuídos com o sentimento de amor, de que estamos ajudando animais carentes. Acaba que se torna muito mais do que um trabalho, é um prazer estar ali presente, fazer parte da história da instituição e absorver toda aquela paz que o local nos traz”- Vicente Paulo Santana Neto, Engenharia Florestal, voluntário.

“Considero-o como um dos projetos mais admiráveis que já vi. Todos os animais são muito bem tratados e os casos de recuperações de cães são impressionantes. O Parque transformou minha vida. Lá, adquirimos muito conhecimento, mas, além disso, somos recompensados com latidos, lambidas de afeto e olhares tão ternos que enchem a alma de alegria. É maravilhoso, pois eles nos ensinam novas lições de amor e superação, nos transmitem um amor incondicional. É impossível ajudar o Parque e não ser transformado por ele, eu me tornei um ser humano melhor, hoje sou mais paciente e corajosa”- Maristela Aparecida Oliveira Dias, estudante de Medicina Veterinária, voluntária.

ADOTE UM CÃO E VIVA COM MAIS ALEGRIA

A adoção pode ser feita no Parque Francisco de Assis ou na Praça Dr. Augusto Silva aos domingos pela manhã.

Adoções bem sucedidas

“Sou voluntária no Parque há seis anos e desde então fico na ala dos grandes, bravos, que na realidade são uns amores e os amo imensamente. Fui me afeiçoando muito com a Giulia, que havia sido adotada e devolvida depois de um ano, e com o Promotor que recebeu esse nome pelo fato de ter sido mandado pelo Promotor da cidade. A convivência foi aumentando nosso amor e quando me mudei para Ijaci, com uma área muito grande, pude trazer os dois para morar comigo. Já tem dois anos que estamos juntos e eles são extremamente felizes e gratos por terem um lar e uma família que os ama. Adotar é tudo de bom” – Regina Pierangeli.

_MG_2038

“Adotei a Mel em março de 2015, era domingo e coloquei meu melhor vestido para um passeio na praça, estava acompanhada do meu esposo e decidimos ir ao cantinho de adoção dos cães que o Parque Francisco de Assis monta na Praça. Agachei-me para afagar uma cachorrinha linda que estava lá e foi assim que a Mel me adotou. Saí com ela nos braços e chorando de emoção. De lá para cá me tornei um ser humano melhor ao ver a alegria dela todos os dias. Um sentimento de gratidão tomou conta de mim: o de poder viver o amor aos cães! Hoje sou voluntária no Parque e trabalho no movimento de adoção dos cães na Praça”- Simone Cristina Marques.

_MG_0267

“Há três anos sou voluntária no Parque e acabamos nos envolvendo muito. A Estopinha chegou ao parque pequenina, filhotinha. Brincava sempre com ela, uma alegria só ao tirá-la da baia. Mas, ao ir embora e ter que guardá-la novamente, era uma tristeza, uma despedida terrível. Eu já estava com três cachorros. Mas, certo dia, minha irmã foi comigo e trouxemos ela para casa. Hoje está super feliz, animada, recebendo todo carinho que merece. É uma emoção inexplicável, e triste ao mesmo tempo, em saber que ainda há 450 cães lá no Parque para serem adotados. Gostaria que mais pessoas conhecessem os demais, e se apaixonassem. É uma troca mútua de amor”- Luiza Helena Augusto.

_MG_0240111


MAS, ANTES DE ADOTAR SEU
ANIMAL, PENSE UM POUCO…

As pessoas que moram com você estão de acordo com a adoção?

Sua casa/apartamento tem espaço suficiente para a espécie de animal escolhida?

Se você mora em apartamento, já perguntou se é permitido ter animais de estimação?

Você está disposto a cuidar do animal durante toda a vida dele?

Já pensou se prefere um filhote ou um animal adulto? Geralmente a primeira escolha é por um filhote, que é também a forma mais trabalhosa, pois exige mais cuidados, dedicação permanente e orientações.

Planejou em quem cuidará do animal durante suas férias ou situações de emergência?

Você providenciará a castração do mesmo? A castração é um dos mandamentos básicos da posse responsável, pois, entre outros benefícios, aumenta o tempo de vida dos animais.

Terá condições de manter o animal dentro dos limites de sua propriedade ou o mesmo andará livremente pelas ruas?

Se respondeu SIM. Parabéns!

Fonte: Parque São Francisco de Assis


FICHA TÉCNICA

Parque Francisco de Assis

www.parquefranciscodeassis.com.br
FB/Parques Francisco de Assis
Rodovia BR 265, Km 341, Lavras-MG


Por Camila Caetano
Fotos: Daniel Rocha Fotografias

Revista Ipê