Depois de abrigar uma das edições mais badaladas dos últimos anos, a CASACOR Minas se prepara para mais um ano de muitas novidades. O tema desta edição foi pensado para apresentar uma casa que dialoga bastante com a contemporaneidade, trazendo ainda mais vida para dentro dos espaços. 

CASA VIVA será o tema que norteará todas as edições que ocorrerão nos estados brasileiros ao longo de 2018. A temática escolhida traz o ser humano para mais perto da natureza, onde ele encontra no seu lar um refúgio e o celebrar com amigos, familiares e pets. “É a casa que pulsa, é o espaço camaleônico adaptável às novas formas de desfrutar o convívio”, explica Livia Pedreira, superintendente geral da CASACOR em todo o País.

Na verdade, o tema escolhido para este ano complementa o tema de 2017: Foco no essencial. Outro aspecto fundamental da casa viva é a sua estreita relação com a natureza, que certamente marcará presença em inúmeros ambientes. Das pequenas plantas até os grandes jardins, o verde se mostrou um elemento fundamental nas casas das pessoas e é natural que essa relação se estenda às mostras do setor. Além de explorar essa relação com as plantas, esta edição também contará com ambientes voltados para destacar o bem-estar dos moradores, “O tema deste ano é exatamente o que os clientes tem procurado no meu escritório: espaços multifuncionais que possam ser utilizados o máximo possível, sempre vivos.”, destaca o arquiteto Felipe Soares, um dos nomes confirmados para a edição.

Mas, além do tema proposto para 2018, a 24ª CASACOR Minas continua investindo na preservação do patrimônio histórico por meio da ocupação e dando continuidade ao processo de recuperação de um prédio icônico, integrante do conjunto Arquitetônico da Praça da Estação. O casarão, parte do acervo da extinta Rede Ferroviária Federal, a RFFSA, permaneceu fechado por mais de 10 anos e só foi reaberto para a última edição da mostra graças à uma parceria entre CASACOR Minas e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN/MG. “O que podemos garantir é que, apesar de ocuparmos o mesmo prédio do ano passado, esta será uma mostra completamente diferente da que fizemos em 2017. A distribuição dos ambientes não seguirá o mesmo formato”, destaca o diretor de Conteúdo e Relacionamento Eduardo Faleiro.

PARCERIAS

 Além de inspirar, a CASACOR Minas também é um espaço privilegiado para os negócios.  A mostra coleciona diversas parcerias e ações comerciais de sucesso ao longo dos anos. Seguindo a proposta de apresentar em primeira mão diversos lançamentos do setor de arquitetura, design de interiores e paisagismo, muitas marcas fazem questão de participar da CASACOR para lançar novos produtos no mercado. E a resposta do público é imediata. A Clínica dermatólogica Kédima Nassif, recém-inaugurada na época, investiu na montagem de uma reprodução da clínica original dentro da maior mostra de arquitetura e decoração do estado. O projeto para a CASACOR Minas foi elaborado por Viviane Lima, que também assina a sede da clínica, localizada no bairro Estoril. O espaço foi pensado para apresentar o conceito da clínica e também para abrigar pequenos tratamentos, análises e procedimentos estéticos e capilares.

A versão original da clínica assinada pela arquiteta Viviane Lima foi reproduzida dentro da mostra

A versão original da clínica assinada pela arquiteta Viviane Lima foi reproduzida dentro da mostra


Eduardo Faleiro - CASACOR Minas - Foto Henrique Gualtieri

Foto: Henrique

Entrevista com Eduardo Faleiro – Diretor de Conteúdo e Relacionamento da CASACOR Minas

Depois do sucesso alcançado com a última edição,
qual(is) o(s) principa(is) desafio(s) desta próxima CASACOR Minas?

A CASACOR contribui diretamente para o fomento do mercado mineiro. Estamos caminhando para a nossa 24ª edição e, hoje, mais de 70% dos produtos expostos na mostra são produzidos em Minas, diferentemente do que acontecia há 24 anos quando tudo era trazido de fora. Acredito que o nosso principal desafio continua a ser o fortalecimento do mercado e na questão de fazer uma mostra cada vez mais relevante e interessante em termos de conteúdo e interação com a cidade e o público, principalmente o de arquitetura, design e decoração, mas trazendo novidades, conteúdos relevantes sobre temas atuais, permitindo reflexões sobre o nosso tempo.

Em função da temática adotada para esta edição,
podemos esperar um crescimento dos espaços/ambientes funcionais neste ano?

CASA VIVA é o nosso tema do ano e queremos tornar o evento cada vez mais dinâmico, mais experimental, aguçando todos os sentidos nas inúmeras experiências que oferecemos ao público da CASACOR Minas. Atualmente, o que chama mais atenção das pessoas que frequentam a mostra é a experiência dentro do evento. A partir disso, buscamos transformar os ambientes em espaços mais funcionais, permitindo que o usuário tenha cada vez mais oportunidade de experimentá-los e usufruir deles como se estivessem dentro da própria casa. Isso vai desde a criação de uma cozinha bem decorada e equipada, mas também pode ser complementado por exemplo com a presença de um chef cozinhando uma comida saborosa que possa ser degustada ao final da preparação. Outro ponto alto são os ambientes que oferecem conteúdos como, por exemplo, um espaço de auditório onde as pessoas possam parar para escutar algo interessante. Os bares e restaurantes também trouxeram uma dinâmica e uma interação muito forte para o evento, possibilitando que as pessoas utilizem dos espaços da CASACOR para fazer relacionamento e networking. No ano passado por exemplo, fomos responsáveis por inaugurar o Ginger, o primeiro bar de gin da capital mineira.

Uma das principais contribuições da CASACOR Minas 2017 foi a completa recuperação do vagão do Rede Ferroviária, instalado na parte externa do edifício. O projeto de revitalização da composição, um dos ícones do prédio, foi conduzido pela arquiteta Gislene Lopes e contou com a consultoria do escritório B&L Arquitetura e do IPHAN.

Uma das principais contribuições da CASACOR Minas 2017 foi a completa recuperação do vagão do Rede Ferroviária, instalado na parte externa do edifício. O projeto de revitalização da composição, um dos ícones do prédio, foi conduzido pela arquiteta Gislene Lopes e contou com a consultoria do escritório B&L Arquitetura e do IPHAN.

A CASACOR Minas foi uma das grandes responsáveis por consolidar a rua Sapucaí como um dos espaços mais privilegiados da cidade. Como você analisa essa responsabilidade e esta parceria com o poder público?

Acredito que a revitalização da Rua Sapucaí já vem acontecendo de forma independente há pelo menos 6 anos. Diversas lojas localizadas na rua hoje funcionam como espaços dedicados à gastronomia como bares e restaurantes. Essa movimentação vem fazendo com que as pessoas voltem o olhar para o Centro como um bairro vivo, assim como o Edifício Arcângelo Maletta. Frequentar esses espaços faz com que as pessoas desenvolvam um olhar diferente para a cidade. É uma ocupação espontânea, que além dos restaurantes passa também pelos movimentos de carnaval e que a CASACOR, acompanhando esse movimento cultural da cidade, soma a este movimento trazendo um público novo e valorizando ainda mais essa região tão importante para o espaço urbano que respira ocupações culturais livres.

A CASACOR Minas saltou do 12º lugar no rankig nacional para o 2º em termos de relevância entre todas as edições nacionais. A que se deve esse resultado?

Esse resultado se deve a um comprometimento de toda a equipe em fazer um trabalho de excelência por meio de uma curadoria minuciosa a respeito de todo o conteúdo do evento. Somado a isso temos boas equipes trabalhando em parceria com a CASACOR. O cuidado com a imagem, com o conceito que embasa a criação dos ambientes, as ações de comunicação, o desenvolvimento de conteúdo e as parcerias geradas são primordiais para todo esse sucesso.

Quantas pessoas estão envolvidas na realização da CASACOR Minas?

De uma forma geral podemos dizer que são milhares de pessoas envolvidas diretamente com a produção do evento, mas dentro do núcleo gestor e criativo contamos efetivamente com uma equipe de 30 pessoas.

Na sua visão, qual(is) a(s) principal(is) contribuição(ões) da CASACOR para o mercado? 

Um das principais contribuições da CASACOR para o mercado é o fomento que ela gera para o setor de arquitetura e design. Muitas marcas e profissionais viabilizaram seus negócios a partir da participação na mostra. Atualmente, o evento continua sendo a maior referência no setor graças a um trabalho sério, dedicado e constante para que o mercado continue aquecido e vivo nacionalmente, possibilitando um acesso ao segmento de arte, design, arquitetura e decoração cada vez maior, convidando cada vez mais públicos plurais a se interessar cada vez mais pelo tema e pelos benefícios de uma casa bem planejada. Por isso que escolhemos existir na Rua Sapucaí, um polo da cidade no que diz respeito ao consumo e fruição de cultura.


Por A Dupla Informação
Fotos: Jomar Bragança

 

Revista Ipê