Aulas gratuitas de dança promovem bem-estar à população de Lavras e região

Muitos dizem que dançar é o melhor remédio. E algumas pesquisas já comprovaram os inúmeros benefícios que esta atividade provoca. Além da diversão, ela é responsável por melhorar o condicionamento, a coordenação motora, a flexibilidade, além de ajudar na perda de peso.

O International Journal of Neuroscience apontou recentemente que a dança tem grande impacto na melhora do estresse psicológico por meio da regulação dos níveis de serotonina e dopamina no corpo. Ou seja, “quem dança seus males espanta”, como dizem os mais sábios. O estudo releva que a atividade ajuda a liberar todas aquelas emoções que estão reprimidas, fazendo com que a depressão passe longe.

E em Lavras não há desculpas. Com dinheiro ou não é possível tirar as sapatilhas do armário e se libertar na dança. A Universidade Federal de Lavras (Ufla) oferece aulas gratuitas de dança, dos mais variados ritmos, toda semana, por meio do projeto de extensão Dança Compasso. Participam pessoas de todas as idades, e muitos vêm de outras cidades para frequentar as aulas.

Os monitores responsáveis, William Colvara e Gabriela Cundari

Os monitores responsáveis, William Colvara e Gabriela Cundari

Quatro monitores são responsáveis pela instrução dos participantes durante as aulas e, atualmente, a coordenação do projeto é realizada pela professora do Departamento de Educação Física da Ufla, Priscila Carneiro Valim Rogatto. As aulas são realizadas de segunda a quinta-feira no Centro de Integração Universitária (Ciuni), e qualquer interessado em participar pode comparecer ao Ciuni no horário das aulas para conversar com a equipe de monitores.

Para Gabriela Dias Cundari, uma das monitoras, o projeto promove dança e alegria entre as pessoas. “A socialização, harmonia e descontração é evidente entre as pessoas que frequentam nossas aulas. Grandes laços de amizades foram formados durante esses anos, muitos alunos estão com a gente acompanhando desde o começo do projeto. As pessoas interagem bastante durante as aulas, são muito esforçados e se adaptam fácil ao grupo todo semestre”, relata Gabriela.

O estudante de Engenharia de Controle e Automação, Harisson Alvarenga, 21 anos, entrou no grupo de dança da Ufla aos 17 anos, logo após ingressar na Universidade. “Já na primeira aula adorei. A dança de salão, por ser algo feito a dois, requer que você interaja com quem dança. O contato próximo melhorou rapidamente a minha habilidade de relacionar com as pessoas. E a paixão pelo forró ficará pelo resto da vida, atividade que descobri no grupo de dança e que hoje não consigo me imaginar sem”, enfatiza Harisson.

Por Camila Caetano
Fotos: Daniel Rocha Fotografias


FICHA TÉCNICA

As aulas são realizadas de

segunda a quinta-feira no Ciuni:

Segunda-feira (18h): forró.

Terça-feira (18h): ritmos.

Quarta-feira (18h): dança aeróbica

Quinta-feira (18h): dança livre.

Revista Ipê