Celebrando 30 anos de amor à música, os irmãos Rogério Flausino e Wilson Sideral se unem para homenagear um de seus maiores ídolos, o cantor e poeta Cazuza.

Nascidos em Alfenas, no Sul de Minas, os meninos começaram cedo, Rogerinho aos 13 e Wilsinho aos 10. Apoiados pela família musical, montaram sua primeira banda “Contacto Imediato”em 1985. Com o grupo e em dupla se jogaram na noite, apresentando-se em bares, festas e clubes da cidade e região. Em 1993, mudam-se para Belo Horizonte, de onde traçam os rumos de suas carreiras: Flausino, ao lado da banda Jota Quest, uma das mais queridas do país; e Sideral, em carreira solo, como cantor, compositor, guitarrista e produtor musical.

Pela primeira vez juntos, em uma turnê oficial, a dupla se reúne para reverenciar a obra de um dos maiores ícones do rock nacional, pelos teatros do Brasil.

“Este nosso feliz reencontro tem como propósito propagar, ainda mais, a música e a poesia de Cazuza, que foram fundamentais na formação de nossa geração”, explica Flausino, “é também uma grande oportunidade de ajudar a fomentar o lindo trabalho realizado pela Sociedade Viva Cazuza, há mais de 25 anos, no combate à AIDS”.

A direção musical, assinada por Sideral, preza pelos arranjos originais, que vão da fase Barão Vermelho aos hits da carreira solo. “Para ser sincero, não quisemos reinventar nada, estamos apenas matando a saudade desses fonogramas clássicos. É coisa de fã, de irmão, de amor mesmo! Nossos destinos foram traçados na maternidade”, lembra Wilsinho.

CAZUZA 113_AntonioAndrade


NO REPERTÓRIO

O lado rock do poeta aparece em canções como “Beth Balanço”, “Porque Que a Gente é Assim”, “Ideologia”, “O Tempo Não Pára” e “Pro Dia Nascer Feliz”; a mpb e a bossa nova mostram sua cara em “Faz Parte Do Meu Show”, “Todo Amor Que Houver Nesta Vida”, “Eu Preciso Dizer Que Te Amo” e “Codinome Beija-Flor”; do blues, as clássicas “Solidão, Que Nada” e “O Blues da Piedade”; e do pop, os hits “Exagerado”, “O Nosso Amor a Gente Inventa” e “Brasil”, além de regravações eternizadas na voz de Cazuza, como “Vida Louca Vida”, de Lobão e Bernardo Vilhena, e “Quase Um Segundo” de Herbert Viana.

A dupla lança ainda, canção inédita intitulada “Não Reclamo”, poema de Cazuza, musicado por Sideral, em 2015, especialmente para o projeto.

ACOMPANHADOS PELOS MÚSICOS:

Adriano Campagnani (contra-baixo), David Maciel (bateria), Marcelinho Guerra (guitarra), Breno Mendonça (sax) e Wagner Souza (trompete), os irmãos convidam para esta emocionante celebração à vida. Viva Cazuza!

Fotos: Antonio Andrade

Revista Ipê