Fundado em 1978, o Grupo Teatro Construção é um dos mais antigos conjuntos teatrais atuantes no Brasil. Neste mês, completa 39 anos de apresentações, espetáculos, homenagens, exposições, palestras, oficinas teatrais, sapateado e intervenções artísticas. O Grupo percorre praças, escolas, universidades e empresas de diversas cidades.

“Inspirar pessoas para a arte, a vida e o trabalho, produzindo com qualidade peças teatrais de diversos estilos e originais. Construir e transformar, esse sempre foi o nosso sonho. Buscar nutrir talentos e o amor pelas artes cênicas”. Esta é a filosofia do Grupo Construção, que acredita que pela arte o ser humano se transforma.

O Grupo foi edificado por Homero de Carvalho Faria- exímio ator, escritor e diretor- juntamente com um pequeno grupo de artistas. Em uma reunião no dia 27 de junho de 1978, em Lavras, assinaram a primeira ata. Guiados por Homero, os atores marcaram sua trajetória por várias cidades mineiras e até mesmo de outros estados. Homero tinha um sonho, e, como bons artistas, lançaram a semente.

Peça “Romeu e Julieta”

Peça “Romeu e Julieta”

A primeira apresentação ocorreu ainda em 1978, com a peça “Gêneses, dia da Criação” seguida por “Tiradentes-Liberdade chamada Inconfidentes”. Em 1980, uma apresentação consagrada de “A Casa de Bernarda Alba” aconteceu em Lavras. Em 1988, o espetáculo Roda, de autoria de Homero de Carvalho foi selecionado para representar Minas Gerais no Festival Nacional de Brasília.

Peça “Romeu e Julieta”

Peça “Romeu e Julieta”

Há sete anos, o Grupo Construção retornou com tudo para Lavras. Foram feitos testes de elenco e, assim, houve a descoberta de novos talentos na região. Mais de 30 apresentações já foram realizadas na cidade.  “Lavras sempre foi uma cidade muito rica em cultura. É preciso resgatar o hábito das pessoas irem ao teatro. Por isso, temos investido muito na formação de público de diversas idades. Tudo isso é um desafio muito grande para nós”, comenta Ricardo Calixto, atual diretor executivo do GTC.

Com “Vida de brinquedo”, de Ricardo Calixto, o Grupo conquistou prêmios de melhor ator e melhor caracterização infantil, em Conselheiro Lafaiete (2000) e Juiz de Fora (2007). Em 2015, foi premiado no Festival Nacional de Artes Cênicas de Conselheiro Lafaiete nas categorias de melhor cenário, na peça “O Médico Saltador” de Molière, e também de melhor ator, com Gabriel Amaral. Em 2016, foram premiados novamente no Festival Nacional de Conselheiro Lafaiete, desta vez na categoria de melhor maquiagem de Ernani Augustus na peça “O Desfile”, de Alexandra Sass.

Foi necessário um trabalho árduo para construir grandes espetáculos que permitissem a participação em festivais nacionais. “Inserimos uma mentalidade mais aprofundada no elenco, com uma consciência mais profissional. Hoje, temos plena consciência do que devemos melhorar e também do que podemos conseguir”, ressalta o diretor executivo.

Ricardo Calixto é o que mais tem tempo de casa, já são 27 anos. “É uma imensa satisfação aliar o trabalho profissional àquilo que se ama fazer. Ou seja, trabalhar naquilo que gosta, de fato, não é um fardo, mais sim um prazer. Colocamos o melhor de nós para despertarmos o melhor no outro”, destaca.


Por Camila Caetano

Revista Ipê