Afinal, qual a diferença entre elas?

Foto: Mauro Holanda


Apesar de consumidas o ano todo, é nas festas de fim de ano que elas se tornam o destaque das comemorações, e fazem a alegria de todos.

Bebidas refrescantes, à base de frutas com mistura de vinhos de mesa ou espumantes e acrescidas de licores, brandy, dentre outras bebidas.

Elas têm muito em comum: são consideradas bebidas coletivas, pois são servidas em poncheiras ou em jarras, para atender ao maior número de convidados; possuem baixo teor alcoólico e são ricas em sabores e cores, provenientes das frutas e dos licores usados.

PONCHE

De origem asiática, a bebida ponche é considerada uma das mais antigas. Ela foi levada para a Califórnia por imigrantes e tornou-se símbolo de comemorações entre os catadores de frutas, que vinham de várias partes do mundo. Seu nome ficou conhecido como Planter´s Ponche (o ponche dos plantadores). Originalmente o que formava a sua base era o rum, que se misturava com outras bebidas alcoólicas e ou suco e pedaços de frutas. Ao longo do tempo surgiram muitas variações, tanto das bebidas base, quanto do suco utilizado.

SANGRIA

De origem Ibérica, a sangria era servida a toda família, nos almoços de domingo, embaixo dos parreirais, em mesas longas, utilizando o próprio vinho, que a família mesmo produzia. Em sua origem, misturavam-se ao vinho as frutas que tinham no momento, como laranja, abacaxi e maçã, adoçavam com mel e acrescentava muita água, pois além dos adultos também era servida aos jovens e às crianças, como um acompanhante das refeições. Nos dias atuais as receitas mudaram, acrescentando outras frutas e até especiarias.      

CLERICOT

Em cidades como Punta Del Este, Floripa, ou qualquer praia que tenhamos los Hermanos uruguaios e argentinos, a bebida que predomina é o Clericot. Considerada a bebida do verão que os ingleses levaram para o Uruguai como “claret cup”, rebatizada de “clericot”.               

Clericot foi inventada em meados do século XIX no sudeste do Punjab Índia, sendo preparada para o Raj, administrador da colônia britânica, que sofria com o calor da região e tomava a bebida refrescante em suas reuniões, sendo o primeiro brinde em honra ao rei ou à rainha da Grã-Bretanha.

Enquanto a sangria é preparada com o vinho tinto, clericot é feita com o branco seco ou espumante. Normalmente usam-se frutas brancas e amarelas para seu preparo, para dar certo destaque e diferenciá-la de outras bebidas.

Para aquele momento especial de encontro com os familiares, amigos e festividades de final de ano, apresento, para os leitores da Revista Ipê, uma receita fácil de preparo, porém muito saborosa. Espero que vocês gostem e BOAS FESTAS!


CLERICOT

INGREDIENTES

• 500 ml de vinho branco seco

• 80 ml de Stock Curaçau Fino

• 30 ml de Kaly pêssego

• 1 carambola fatiada

• 1 fatia inteira de abacaxi em cubos pequenos.

• 1 maçã verde picada

• 1 laranja picada sem casca e semente

• 300 ml de soda

• 3 aniz estrelado

MODO DE PREPARO

Em uma jarra de 2 litros, coloque as frutas, o licor e o kaly, acrescente gelo, em seguida o vinho branco, complete com a soda. Misture bem, sirva com uma colher de pau comprida e decore com o aniz estrelado.


Livro Derivan Ferreira de Souza

Derivan Ferreira de Souza
Barman

Revista Ipê