Contos e história sobre o drink mais consumido no Brasil: o Rabo de Galo

Muitos contam que quando Jânio Quadros era prefeito de São Paulo, costumava-se reunir com frequência, no Parque do Ibirapuera, com o então governador Lucas Nogueira Garcez, para discutir as obras aceleradas para as grandes comemorações festivas do quarto centenário do Estado, que aconteceram em 1954.

Com uma visão futurista, o engenheiro Lucas Nogueira Garcez queria transformar São Paulo em uma grande locomotiva do Brasil, não só nas indústrias, mas também culturalmente. Assim, foi dada a oportunidade a muitas empresas para se estabelecerem.

Também interessado, chegou a São Paulo um produtor de bebida italiana, que queria produzir e comercializar vários produtos, olhando para a grande colônia italiana que vivia no Estado. Essa empresa iniciou uma pesquisa para saber o que as pessoas mais bebiam e como bebiam. A resposta foi rápida: cachaça. A maneira mais comum era colocar a cachaça em pequenos copos e, antes de beber, oferecer um gole ao Santo, fazendo algumas orações para pedir proteção. Os balcões ficavam sempre molhados, em razão desse ritual. Ao final do dia, o odor de cachaça era intoxicante.

Dessa maneira, surgiu a ideia de associar a popular bebida brasileira ao produto principal da empresa: vermute rosso. Ele tomou cuidado para entender como o brasileiro tomava a sua cachaça e apenas seguiu o ritual.

Coube à fábrica de vidros Multividro, localizada no bairro de Belém, em São Paulo, a criação do copo diferenciado, seguindo as especificações dos italianos, para servir a bebida junto com a cachaça.

O copo tinha marcas destacadas para o vermute e outra para a cachaça, não tinha como errar. Agora a etapa seguinte era dar um nome a esta mistura, a sugestão inicial foi COCKTAIL, prontamente rejeitado. Então, foi feita a tradução para o português e ficou RABO DE GALO.

CACHAÇA: VERDADEIRO DESTILADO BRASILEIRO

Considerada a legítima bebida brasileira, a cachaça é um dos produtos que melhor ilustram todas as ações, tensões e contradições por trás das mudanças que permeiam a história do sistema agroindustrial brasileiro. Amada e odiada em proporções desconhecidas, a história dessa bebida está entrelaçada com a história brasileira.

A produção e o consumo estão profundamente enraizados na formação econômica, social, política e cultural do Brasil. Ao beber um gole de cachaça, uma pessoa não está bebendo apenas um aperitivo, certamente vai beber mais de 400 anos de história.


RABO DE GALO

INGREDIENTES

80 ml de cachaça

20 ml de vermute rosso

MODO DE PREPARO

Em um mixingglass coloque gelo, em seguida os ingredientes, misture bem e sirva em uma taça coupe previamente gelada. Finalize com uma casca de limão.


Foto: Zeca Meirelles


Livro Derivan Ferreira de SouzaDerivan Ferreira de Souza
Barman

Revista Ipê