O mistério por trás da identidade de “Jack, o Estripador.”

Londres, 1889. Os moradores da periferia de Whitechapel estão apavorados com os assassinatos em série cometidos por um indivíduo frio e calculista. As vítimas, todas prostitutas, têm os corpos abandonados em becos fétidos e escuros. A precisão cirúrgica dos cortes nas gargantas e abdômen sugere que o algoz tenha alguma ligação com a medicina. Por essa razão, a misteriosa figura é apelidada de “Jack, o Estripador” e com frequência tem estampado jornais por toda a Inglaterra e tirado o sossego da respeitada Scotland Yard.

A busca por respostas ganhou as telas da TV e desde 2012 o seriado britânico Ripper Street reúne com maestria detalhes épicos do século 19. Protagonizado pelo premiado Matthew Macfadyen, que na saga vive o incansável e dedicado Edmund Reid, Inspetor e detetive da lendária Divisão H, Ripper Street abre sua jornada apresentando ao público episódios repletos de suspense, drama e ação. O inspetor Reid, além do cotidiano policial, precisa lidar com o desaparecimento de sua pequena filha Mathilda, ocorrido anos antes durante um naufrágio, e com a depressão de sua esposa Emily (Amanda Hale).

As investigações na Divisão H contam com o auxílio de uma equipe de alto gabarito, mas que ao longo das temporadas revela segredos de tirar o fôlego. Nela encontramos o Sargento Bennet Drake (Jerome Flynn), ex-combatente do exército da Rainha Vitória e o Capitão Homer Jackson (Adam Rothenberg), um cirurgião norte-americano que encontra refúgio em Londres após fugir dos Estados Unidos com sua esposa Susan Hart (MyAnna Buring) devido a um mistério revelado ao longo da trama.

As buscas pela verdadeira identidade de “Jack, o Estripador” acontecem em paralelo às demandas policiais de uma comunidade operária e sofrida. No contexto da revolução industrial e do surgimento de movimentos sociais a exemplo de sindicatos, Ripper Street inunda a mente dos espectadores com curiosidades diversas ao exibir a chegada de novidades tecnológicas como o telégrafo e a luz elétrica.

Com um total de cinco temporadas a série traz cultura e entretenimento. Toda a cenografia, figurino e linguagem seguem os rigorosos padrões de produção da BBC, que é famosa por sucessos como Orgulho e Preconceito (Pride & Prejudice), Daniel Deronda, Sherlock e South Riding. Os episódios completos de Ripper Street estão disponíveis na versão online por meio do site Amazon Prime (www.primevideo.com).


_MG_5855-1Diego Nascimento
jornalista e palestrante
www.diegonascimento.com.br 

Revista Ipê