Conheça a lenda que envolve a cidade e os principais pontos turísticos

Diz a lenda que as terras onde se localiza a cidade de São Tomé das Letras pertenciam ao pai do barão de Alfenas, o capitão João Francisco Junqueira. Um dos escravos, conhecido por João Antão, teria se apaixonado pela irmã do capitão.

Quando ele ficou sabendo do romance, ordenou que matassem o escravo. Sua irmã descobriu e correu para avisar o amante, que fugiu e se escondeu por vários dias dentro de uma gruta.

Certo dia, já com fome e sem água, um senhor, de vestes brancas, apareceu na gruta e pediu para se alojar naquele local. Em troca, ensinaria a cultivar as plantas, disponíveis na gruta, e a conseguir água. João Antão aceitou e ali o senhor ficou por vários dias, conversando e conhecendo a sua história.

P1160373

Vale da Borboletas

Com o passar dos dias, o senhor escreveu uma carta e pediu que João Antão levasse ao capitão, afirmando que assim ele conseguiria sua carta de alforria e viveria seu romance. João, a princípio, ficou com medo, pois se voltasse à fazenda sabia que seria morto. Como não havia alternativa, resolveu tentar.

Quando João chegou à fazenda, foi pego pelos guardas do capitão. Assustado, disse que tinha uma carta para ser entregue. Os guardas chamaram o capitão, que ao lê-la ficou incrédulo (já que o escravo não sabia ler e escrever).

O capitão queria ir ao responsável pela carta. Quando chegaram à gruta, não havia ninguém, apenas uma imagem do apóstolo Tomé. O capitão crendo que a imagem era milagrosa a levou para sua fazenda e fez um pequeno altar.

VÉU DE NOIVA

Véu de Noiva

No dia seguinte, o capitão não encontrou a imagem no altar. Pediu que seus guardas a procurassem. Para o espanto de todos, a imagem havia retornado para a gruta. O capitão então decidiu fazer uma capela ao lado da gruta.

Em 1785, quando a capela já estava pronta o capitão veio a falecer, seu filho Gabriel Francisco Junqueira, o barão de Alfenas, decidiu ampliar a capela, fazendo uma Igreja em devoção ao Santo, e sepultando seu pai debaixo do altar.

gruta do sobradinho 1

Gruta do Sobradinho


GUIA – Valdeci de Andrade
(35) 99126-4019 (whatsApp)


LOCALIZAÇÃO:

São Tomé das Letras está localizada no Sul de Minas Gerais, aproximadamente 100 km de Lavras, 311 km de Belo Horizonte, 348 km de São Paulo e 405 km do Rio de Janeiro.


INFORMAÇÕES E DICAS:

São Tomé das Letras está localizada em uma montanha de aproximadamente 1440m de altura, por esse motivo os verões são bem quentes durante o dia, e à noite o clima é ameno.

O frio se estende de junho a final de agosto, nessa época do ano chega a ter temperaturas negativas.


TELEFONES ÚTEIS:

• Receptivo Turístico João Antão:
(35) 3237-1276

• Prefeitura Municipal:
(35) 3237-1223

• Polícia Militar:
(35) 3237-1179

• Unidade Mista de Saúde:
(35) 3237-1580


ARTE E CULTURA = MÚSICOS / TEATRO

• Ventania
• Tibilk
• Grupo Candeia
• Grupo Avalloon
• Lucinha Luz
• Rao
• Billy das Letras
• Alisson e Igor
• Nei e Alan
• Tupac
• Companhia Teatral Voz da Terra

PONTOS TURÍSTICOS:
DENTRO DA CIDADE

• Parque Antônio Rosa
• Casa da Pirâmide
• Cruzeiro
• Pedra da Bruxa
• Mirante
• Igreja Matriz
• Igreja do Rosário
• Gruta de São Tomé

AOS ARREDORES

• Vale das Borboletas
• Garganta do Diabo
• Ladeira do Amendoim
• Shangrilá
• Cachoeira Eubiose
• Cachoeira do Flávio
• Cachoeira Véu de Noiva
• Cachoeira Paraíso
• Cachoeira da Conquista
• Cachoeira da Lua
• Cachoeira do Sobradinho
• Gruta do Sobradinho
• Gruta do Labirinto
• Poço Verde.

EVENTOS:

• Encontro de Folias de Reis: 4º final de semana de janeiro.
• Carnavais antecipados:

Sobradinho:

duas semanas antes do oficial.

São Tomé das Letras: 

uma semana antes do oficial.

• Festa do Peão de Sobradinho: 3º final de semana de maio.
• Dia do Padroeiro: 3 de julho.
• Festival da Canção: Julho.
• Tradicional Festa de Agosto: Penúltimo fim de semana de agosto.
• Concurso da Eubiose de Contos e Poesia: Setembro.

• Dia do Extrator de Pedra:

2º domingo de setembro.

• Halloween: último fim de semana de outubro.
• Reveillon: 31 de dezembro.


Por Francisca Josia Cardoso Félix
Fotos: Veldeci de Andrade

 

 

Revista Ipê